Não deixe o coronavírus atrapalhar sua viagem

Não deixe o coronavírus atrapalhar sua viagem

O QUE É CORONAVÍRUS?

Coronavírus é a nova doença do momento, mas você sabe realmente do que se trata essa enfermidade? É uma família de vírus que causa problemas respiratórios, mas nenhum deles é tão forte como o COVID-19, que pode infectar tanto pessoas quanto animais.

A transmissão da doença só ocorre quando existem sintomas, os quais começam a aparecer de 2 a 14 dias de infecção. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os sintomas se classificam em febre, doença respiratória como tosse seca, batimento das asas nasais, sendo o principal deles, a falta de ar e dificuldade para respirar, que possam surgir do histórico de viagem para destinos considerados epicentros da transmissão do vírus ou do histórico de contato com pessoas infectadas.

DEVO CANCELAR A VIAGEM?

O surto do coronavírus se originou em Wuhan, na China, no dia 31/12/2019. Atualmente, o Ministério da Saúde recomenda não embarcar em viagem com destino à China (origem do vírus), Coréia do Sul (segundo país com mais casos) e Itália, os lugares mais contaminados pelo novo vírus.
Para que não exista o risco de contaminação, “Vale o bom senso”, diz Luiz Henrique Mandetta, Ministro da Saúde. 

Autoridade brasileira no assunto, o infectologista Dr. David Uip, afirma: “Não mudaria meus planos se tivesse viagem marcada para a próxima semana”. Entretanto, ele informa que existe a recomendação para evitar viagens à China e Itália no momento, para não aumentar o risco de contaminação.

ASSISTA AO VÍDEO DO DR. DAVID UIP, COM A ENTREVISTA CONCEDIDA À PANROTAS, REVISTA PROFISSIONAL DO TURISMO

A Dra. Carmen Dolea é especialista em saúde pública e chefe do Departamento de Regulamentação Internacional de Saúde (International Health Regulations – IHR) da Organização Mundial da Saúde (OMS).
No último 12 de Fevereiro, ela falou sobre o assunto no canal da OMS no Youtube.

Ao contrário das notícias alarmantes anunciadas pelas mídias,
a médica é enfática ao afirmar que não há necessidade de cancelar viagens e que o viajante deve apenas levar em conta, as restrições que algumas cias aéreas estão adotando no momento, já que o risco de contágio é muito baixo fora do epicentro da epidemia – nesse caso, a província de Hubei, na China.

ASSISTA AO VÍDEO DA DRA. CARMEN DOLEA, COM A ENTREVISTA CONCECIDA À OMS (EM INGLÊS)

COMO ME PREVENIR?

Para diminuir o risco de contrair ou transmitir doenças respiratórias agudas, o Ministério da Saúde orienta cuidados básicos de higiene, durante viagens ou na rotina diária. Algumas das medidas são:

  • Lavar as mãos frequentemente, respeitando os 20 segundos de higienização. Caso não haja água e sabonete, álcool em gel ou desinfetantes para as mãos a base de álcool.
  • Quando espirrar ou tossir, cobrir boca e nariz com um lenço descartável e depois jogar no lixo.
  • Ficar em casa, caso esteja doente.
  • Evitar tocar olhos, boca e nariz com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocadas com frequência.

A gestão da crise do coronavírus está se utilizando do bom senso, tendo em base os mesmos métodos de prevenção de uma gripe comum e outras doenças respiratórias.

CONSIGO REMARCAR MINHA VIAGEM?

O PROCON emitiu nota afirmando que é obrigatória a devolução integral do valor para quem iria viajar à China ou Itália. Porém, ao receber várias solicitações de cancelamento de viagem com pedido de devolução integral do valor, o órgão destinou a responsabilidade de solução às próprias agências e operadoras que foram contratadas para a intermediação das viagens, com a instrução para que façam um acordo entre clientes e fornecedores, tendo como primeira opção, o adiamento da viagem para uma data futura.

A ABAV (Associação Brasileira de Agências de Viagens) informou que as agências de viagens devem servir de intermediadoras para facilitar a remarcação das viagens e passagens aéreas ou, na medida do possível, pleitear junto aos fornecedores dos serviços, opções de novos destinos sem custos para os viajantes. Informa também que cada fornecedor e companhia aérea está aplicando uma política diferente, que não há unanimidade sobre o assunto nem padronização de procedimentos, mas que as agências e operadoras de viagens devem fazer toda a intermediação necessária para a solução de cada caso.

Cada companhia aérea e prestador de serviços turísticos tem sua política diante do evento coronavírus. No momento, a Royal Air Maroc não aceitará pedimos de reembolso nem mudança de destino, mas oferece flexibilidade para fazer uma alteração de datas gratuitamente para quem comprou passagens aéreas entre 27 de fevereiro até 31 de março. E assim por diante. A política de cada empresa ainda determina a negociação para casos de remarcação de serviços ou mudança de destinos.

Por isso, cada caso dever ser analisado individualmente, pois será levado em conta: a política de cada um dos fornecedores envolvidos na prestação da viagem contratada, o destino e o motivo do cancelamento por parte do cliente, como casos de doenças pulmonares pré-existentes, entre outros.

FAKE NEWS

É necessário procurar fontes seguras, oficiais e precisas, além de estar atento às fakenews e notícias sensacionalistas, ainda mais em momentos como esse, quando muitas informações estão sendo constantemente propagadas em diversos meios de comunicação.

Nesta segunda-feira, dia 02 de Março, em entrevista ao programa Timeline da rede gaúcha, o médico brasileiro popularmente conhecido, Dr. Drauzio Varella, afirma que “A cobertura da imprensa é desproporcional ao perigo que ele (coronavírus) representa” e avalia que o COVID-19 tem sintomas que não diferem de gripes comuns. No seu canal do Youtube, ele esclarece sua análise:

A Insight Viagens agradece a leitura e informa que está aberta para intermediar negociações para qualquer destino, mas que as recomendações são para não desistir e move on!

KEEP CALM, CLEAN & TRAVEL.

Insight

Voltar ao Topo